7 coisas que você precisa saber sobre a imprensa (se quer ser reconhecido)

Você quer ser capa de revista, ser entrevistado pelos mais importantes talk shows do Brasil, citado nos principais jornais e referenciado em grandes portais de conteúdo? Este é o sonho de muitos empreendedores e, se você quer construir autoridade e criar uma reputação positiva para a sua marca, está no caminho certo.

Porém, é importante que você conheça algumas características e o funcionamento da imprensa no Brasil – sabia que existe um código de ética jornalístico? – para ter as expectativas corretas, obter os melhores resultados e conquistar seu sonho de ser reconhecido. Fique atento:

  1. Entenda o jornalismo – em sua essência, o jornalismo precisa ser independente, isento, imparcial. Não importa se isso é uma utopia, se alguns veículos não seguem essas características, mas toda a imprensa busca preservar esses fatores, que basicamente dizem a mesma coisa: é preciso ouvir todas as partes, olhar para os dois lados, nunca trazer uma única opinião sem contestá-la. O compromisso do jornalismo é com o leitor, em levar para ele informação útil e qualificada, utilizando as melhores fontes e visões variadas sobre um mesmo tema. Como isso reflete na sua postura? Entenda que é comum você aparecer em reportagens com mais pessoas, especialistas, personagens, muitas vezes concorrentes. Aprenda a se destacar!
  2. Saiba o que é jabá – sim, este é um termo muito conhecido entre os jornalistas. O jabá consiste em oferecer algum benefício em troca de uma matéria. Para se ter uma ideia, antes a imprensa era inclusive proibida de receber qualquer tipo de presente, mesmo um pequeno brinde. Há algum tempo este cenário mudou e passou-se a perceber a importância de tomar contato direto com os produtos e marcas, mas uma ação como esta nunca pode ser vista como uma garantia de publicação. Se você quiser oferecer algo, que seja sempre no sentido de apresentar e nunca de cobrar algo em troca, pois isto pode te colocar em maus lençóis!
  3. Se for comercial demais… – desde a faculdade, os jornalistas aprendem a lutar contra o departamento comercial, a publicidade e tudo aquilo que pode ferir o valor “independência” de um profissional e um veículo. Com o tempo, o romantismo jornalístico de alguns pode até se apagar, mas este é um fator de muita força na maior parte da imprensa: se o assunto parece comercial demais, não publicam a notícia. Dificilmente a imprensa irá colocar um link para o seu site de vendas, falar da sua empresa, produto ou evento de uma forma muito agressiva. Inclusive, alguns veículos e principalmente canais de TV escondem as logomarcas e qualquer resquício que dê alguma conotação comercial. Imprensa é geralmente onde está a informação gratuita e isenta de interesses. O jornalista não quer que o leitor pense que ele fez aquela matéria para vender produtos daquela empresa, pois isso tira a credibilidade do que está sendo dito.
  4. Interesse público x interesse do público: onde você se encaixa? – notícias de interesse público são sempre prioridade para os meios de comunicação. Uma nova lei, uma informação que precisa chegar ao público porque vai modificar algo para a sociedade. Já assuntos de interesse do público agregam valor para um mercado ou classe específicos, e entram em uma segunda ordem de prioridade. Basicamente, o que você tem a dizer para a imprensa deve estar dentro de algum desses dois aspectos, avalie.
  5. Seja a fonte dos sonhos do jornalista – você sabia que o relacionamento mais importante na imprensa é a do jornalista com sua fonte? Por mais que empresas cuidem para direcionar melhor sua marca perante a mídia, o que fará a diferença para que você comece a ser consultado pela imprensa é a qualidade do seu conteúdo, sua disponibilidade para atender e ajudar o jornalista no momento em que ele precisa. Se a sua informação é verdadeira, útil, relevante e acrescenta no conteúdo que ele irá passar para os leitores ou espectadores, as chances de você ser consultado novamente em outras ocasiões é muito maior.
  6. Fale sobre o que a imprensa pede (e você domina) – nosso sonho neste relacionamento com a imprensa é de que eles descubram nossa empresa e publiquem milhões de notícias sobre ela. Porém, o caminho inicial nem sempre é assim. Em um primeiro momento, o jornalista precisa conhecer você, o seu negócio, sua especialidade e que tipo de conteúdos você pode oferecer. Dessa forma, ele passa a contar com você para ajudá-lo em reportagens sobre o seu mercado, onde você pode se encaixar como um especialista, dando um esclarecimento sobre um assunto, ou um personagem, uma pessoa que viveu aquela determinada situação – como é o caso das histórias inspiradoras e casos de superação que fazem tanto sucesso na mídia. Depois chega a hora de você sugerir assuntos. É como um relacionamento: não dá para conhecer a pessoa e pedi-la em casamento. Existe uma paquera, um primeiro encontro, depois novos encontros, o estabelecimento da confiança e, depois disso, um passo maior e mais duradouro.
  7. Tudo em você será levando em consideração – o primeiro passo para ter uma comunicação assertiva é que tudo em você transmita a mesma mensagem. TUDO. O que você fala para o jornalista, a sua aparência, forma de se expressar, suas redes sociais, seu site, o que dizem sobre você. Principalmente no primeiro momento da relação, quando o jornalista está verificando se você é uma fonte confiável e relevante, ele vai olhar, pesquisar e avaliá-lo em todos os aspectos. Cheque: minha comunicação parece tão profissional e organizada quanto eu quero que ele perceba? Minha imagem reflete total confiança, seriedade, credibilidade? O que as pessoas falam sobre mim é positivo? Os comentários negativos têm embasamento, eu respondo de forma educada e com argumentos válidos? Sou totalmente comercial em todos os meus canais, ou contribuo com informações úteis e conhecimento para minha audiência? E aumente esta lista avaliando cada detalhe que pode ser importante para você.

Eu poderia oferecer ainda muitos outros detalhes, mas esses estão entre os que eu considero mais importantes nestes meus 10 anos de carreira como assessora de imprensa, boa parte deles dirigindo minha própria empresa, a Sigma Six.

Se você considera este artigo útil, tem algo mais a dizer, ficou com alguma dúvida ou quer sugerir algum tema, escreva para mim, seja comentando neste post, ou pelo e-mailnathana@sigmasix.com.br. Será um prazer passar um pouco mais da minha experiência e aprender com você.

Até a próxima!