Acessoria ou Assessoria de imprensa – Qual é o certo?

Esse é um termo muito conhecido, que representa uma importância muito grande para a construção de autoridade de um infoprodutor, empreendedor ou empresa que almeja sucesso, que deseja estar presente cada vez mais nas mídias e ser lembrado!

Sem este serviço é difícil alavancar a autoridade e se tornar alguém reconhecido pelo cliente ideal sozinho. Mas como se escreve?  É Acessoria de Imprensa ou Assessoria de Imprensa?

O termo “Acessoria de imprensa” está errado! Assim como Aceçoria de imprensa também! Essa é uma dúvida muito comum, já que existe tanto o verbo “assessorar” quanto o substantivo “acesso”. Quem nunca escreveu ou leu em algum lugar o termo “Acessoria de imprensa”?

Agora que você sabe que Acessoria de imprensa não existe, vamos descobrir um pouco mais sobre qual é o trabalho de uma Assessoria de imprensa?

Quando a Assessoria surgiu?

Definir uma data precisa de quando a assessoria de imprensa surgiu é algo que é muito difícil de se fazer. Existem registros que de atividades como esta que datam do século 18.

Nesses primeiros registros ainda vagos, um grupo norte-americano, a comando do militar George Washington, começaram a realizar atividades de assessoria, reunindo e organizando as informações oficiais de suas atividades.

A Assessoria, que nunca foi “Acessoria”, surgiu neste campo político, fortalecendo em 1772 o país que quatro anos depois se tornaria independente, os Estados Unidos da América.

Já no governo de Andrew Jackson, em 1829, foi organizado o departamento de relações públicas e assuntos que diziam respeito à imprensa: The Globe.

Acessoria, que dizer, Assessoria no mundo empresarial

No ano de 1906, essa necessidade de assessoria de imprensa governamental se estendeu para o mundo empresarial. O responsável por esta transição foi Ivy Lee, um jornalista americano que fundou o primeiro escritório especializado em assessoria de comunicação: Ivy Lee and Ross Associates, em Nova Iorque.

O que Ivy queria como assessor era transformar a representação pública do capitalista. Os recursos utilizados para a realização desse objetivo eram a transparência e rapidez das estratégias de comunicação como responsáveis pela mudança de imagem do empresário.

 

Assessoria no Brasil

Assim como foi nos EUA, a mesma lógica aconteceu aqui no Brasil, onde os políticos foram os primeiros a fazer uso da assessoria de imprensa para a construção da imagem que queriam passar para o país.

A exemplo disso, Getúlio Vargas foi um governante que explorou as vertentes da assessoria de imprensa, permanecendo no alto cargo de presidente do Brasil por 15 anos.

Crescendo aos poucos, a Assessoria foi ganhando mais demanda porque o trabalho foi ficando cada vez mais estruturado. E foi em 1985 que a Assessoria de Imprensa atingiu seu ápice durante a redemocratização política do país – devido à crise econômica que assolava a população e a exigência do povo para que o governo fosse transparente.

Nesse instante, os comunicadores ganharam maior significância e visibilidade perante o momento instável do Brasil.

O assessor tornou-se responsável por fazer a ponte entre a sociedade e os poderes públicos e privados, levando as informações governamentais para as pessoas comuns que exigiam conhecimento e respaldo dos seus governantes.

A crise econômica forçou a realocação de campo de trabalho dos jornalistas que migraram, em grande parte, para o campo da Assessoria de Imprensa.

Sendo assim, o surgimento e consolidação da profissão do Assessor de Imprensa não foi repentino, ele precisou cavar seu lugar e se desenvolver perante o cenário a que foi submetido.

 

Entendeu? Agora nunca mais escreva “Acessoria de imprensa”!

Tem mais dúvidas sobre o tema? Então me mande seu comentário que vou responder para você! No meu canal do Youtube eu tenho uma playlist sobre esse tema para você!