Medo de se expor: 10 dicas para acabar com o medo de falar em público

Quando é necessário falar em público, você sente medo de se expor? Passa pela sua cabeça coisas do tipo: “O que vão pensar de mim? Será que vão me entender? E se eu não conseguir explicar direito?”. O seu medo de se expor te trava a ponto de perder oportunidades? Então é hora de mudar essa situação! É o momento de dar mais um passo na construção da sua imagem de autoridade poderosa.

Algumas pessoas são, por natureza, tímidas, contidas, falam pouco e não veem isso como um problema. De fato, não é mesmo algo problemático para todas as pessoas! No entanto, um empreendedor digital precisa saber como lidar com as situações em que a sua opinião, conteúdo ou informação podem fazer a diferença em um contexto no qual ele precisa e deve se pronunciar, até mesmo em situações em que o sucesso da própria carreira pode estar em jogo.

Não se trata apenas de falar em público como palestrante! Mas também sobre conversar em grupo, se impor em reuniões ou até mesmo iniciar uma conversa. Nesses momentos é possível que você esteja na oportunidade ideal de opinar, apresentar uma solução de algum assunto, de se conectar com um público ou com alguém, mas o medo de se expor te impede, e cada vez que faz isso, o sucesso se distancia de você.

O medo de se expor gera um bloqueio nas pessoas. Esse bloqueio é responsável por algumas perdas que, muitas vezes, o empreendedor digital não tem noção de que pode perder, ou que já tenha perdido. Geralmente, ele sequer atribui esta perda ao medo de se expor.

medo de se expor

3 COISAS QUE O EMPREENDEDOR DIGITAL PERDE QUANDO TEM MEDO DE SE EXPOR

1 – Oportunidades profissionais

São inúmeros os exemplos de pessoas que possuem um vasto conhecimento teórico e técnico, que têm ideias incríveis, mas, no momento de falar, de propagar toda essa informação, surge o medo de se expor, que diretamente afasta o crescimento profissional que poderia acontecer simplesmente pelo ato de falar e expor a própria ideia.

2 – Perda pessoal

Frustração, baixa autoestima e sentimento de inferioridade são exemplos que acontecem com quem não sabe se expor. As pessoas se culpam por terem esse medo e deixam que isso influencie na vida pessoal, nas relações afetivas e na saúde.

3 – Perda de imunidade

Para a surpresa de muitas pessoas, as consequências do medo de se expor atingem também a saúde! É comum acontecer a queda da imunidade e, quando uma simples gripe atinge essa pessoa afetada pelo medo de se expor, o sentimento de culpa é tão grande que pode acontecer de que ela evite até se levantar da cama para tentar de novo, e isso é preocupante. Mas tem solução!

Você se viu em alguma das situações citadas? Eu fiz uma live com minha amiga Gi Isquierdo, especialista em comunicação e oratória! Nessa live cheia de conteúdo, nós ajudamos você a resolver seu medo de se expor. Veja e me conte depois o que você achou!

 

medo de se expor

10 DICAS PARA DAR ADEUS AO MEDO DE SE EXPOR

1 – Entenda os seus “Por quês”

Uma dica muito importante e que repercute bastante no medo de se expor vem de perguntas que devem ser feitas para si mesmo: “Por que eu preciso perder esse medo? Por que eu sairia do nível em que estou para simplesmente me expor?”.

Todas as respostas devem servir como propulsores para esta mudança. É porque deseja ter mais autoridade? É porque deseja ser influente? É porque quer dar uma vida melhor para sua família? É porque está cansado ou cansada de perder oportunidades? Independente de qual for o motivo, é importante usá-lo de maneira motivacional e buscar melhorar-se nessa área.

2 – Projete seu futuro

Depois de entender os seus “porquês”, o próximo passo é projetar quem você será e onde estará no futuro, e de que forma não ter medo de se expor pode contribuir para que essa realização aconteça.

Essa projeção permite que você se melhore constantemente, investindo para aperfeiçoar a conexão com uma pessoa, depois com um público, em seguida ter um excelente desempenho em uma reunião, palestrar, e por fim, sair de uma palestra causando um efeito “uau” na plateia.

3 – Não se trata só de você!

É necessário entender que as técnicas de oratória ajudam muito no aperfeiçoamento do ato de falar em público. Mas, o fator indispensável para que isso dê certo, é que não se trata só de você, trata-se do outro!

Ao falar em público, se o seu foco está em você, a chance de dar errado é enorme. Frio na barriga, desconcentração, medo da exposição, tudo vêm à tona quando se está mais focado em si mesmo do que nas pessoas que estão ali pelo seu conteúdo.

Para se ter um efeito “uau” sobre um público, tenha em mente que a vida do outro pode ser transformada através de seu conhecimento!

4 – Identifique seu sabotador

As pessoas costumam atribuir o meio de contato como o principal motivador do medo de se expor. Você até pode falar bem, mas, se tem que se comunicar através de um microfone, isso te trava ou, quando surge uma câmera, vem o bloqueio de novo.

Existem casos também de pessoas que não conseguem transmitir uma mensagem para um público desconhecido ou, quando o público é conhecido, não ficam à vontade e travam.

A grande verdade é que o meio de contato não é tão importante assim! Se o Datashow travou, continue, o foco não é o Datashow, o foco está nas pessoas que estão aguardando pelo seu conteúdo.

5 – Controle seus pensamentos

O medo de se expor é um medo que é fruto dos pensamentos de uma pessoa. Dar errado depende única e exclusivamente dos próprios pensamentos, e saber domar o que você pensa é um passo importante para construir autoridade e conseguir ser influente.

A melhor maneira de controlar os pensamentos é jogar o foco para o público! Não perder tempo pensando no que pode ou não dar errado, se vai ou não ter que usar microfone, se a roupa está bonita, o que vão pensar sobre você e sobre o seu conteúdo.

Quando surge a necessidade de falar em público, geralmente somos atingidos por um turbilhão de sentimentos que não são possíveis de controlar enquanto estamos falando. Mas diante disso, controlar o que pensa é possível e é o fator primordial para que as emoções e sentimentos não te sabotem, e que os seus comportamentos e sua oratória atinjam quem te escuta, causando o efeito “uau”.

6 – Esteja preparado para o “branco”

O medo de se expor desencadeia várias indisposições num discurso. Um deles é o famoso “branco”. Para não cair no branco, existem gatilhos que contribuem para que você não perca a linha de raciocínio que são: tenha tudo anotado como um guia do que você quer falar, tenha o seu foco sobre o assunto discursado, e utilize ferramentas como slides, fotos, prezi, mapa mental, dentre várias outras que organizam as suas ideias visualmente.

Como já dito, não conseguimos controlar as emoções e sentimentos, e o “branco” nada mais é que um correspondente emocional. Assim como suar frio, dor de barriga, gagueira, coração disparado, nervosismo e ansiedade, são frutos das emoções que aparentemente não podem ser controladas. Mas é possível controlá-las.

7 – Não pense na palavra “Não”

Não pense em um carro amarelo! Agora me responda, em que você pensou? Aposto que em um carro amarelo. Nosso cérebro não entende a palavra “não”. Somos capazes de entender o sentido e significado dessa palavra, mas, quando queremos não lembrar de uma casa rosa, o que nos vem à cabeça? Exatamente!

Os comandos devem ser positivos. Diga para si mesmo um auto incentivo para que você lembre de tudo, que a conversa vai dar certo, que vão te entender, que você sabe falar no microfone!

8 – Entenda o seu papel

Primeiramente, não se trata de ser um personagem!

Nós, como seres sociais, vivemos vários tipos de papéis: filhos, pais, trabalhadores, empreendedores, escritores, enfim, cada um tem seus papéis, e discursar em cada um deles é importante para se tornar uma referência e ter a atenção devida das pessoas.

Para isso, é preciso estar preparado! Ao ir para uma reunião, esteja com o conteúdo estudado, tenha domínio sobre o assunto e não espere acertar sem estar pronto. Saiba o que falar e entenda a coerência do seu discurso antes mesmo de se expor.

Acontece muitas vezes de se perder o foco em uma palestra, por exemplo, por questões de falta de preparo prévio. Exemplificando: imagine um homem que se sente incomodado com a própria barba que a deixou por fazer e se sente feio. O foco dele está no fato de que ele está se sentindo feio. No preparo desta palestra, ele já tinha que saber com quem ele iria falar e de que forma a imagem dele se alinharia com o público.

Pensar nos detalhes antes ajuda muito para que o medo de se expor não apareça.

9 – Use a química a seu favor

Já sabemos que nós não somos capazes de controlar as emoções e sentimentos, mas é possível controlar qual emoção ou sentimento entrar numa conversação, discurso ou palestra.

Quando nosso corpo libera muito cortisol, entramos em estado de estresse, nervosismo e pressão. Já a liberação de dopamina, endorfina e serotonina nos proporciona a sensação de tranquilidade, de humor adequado, felicidade e um nível de paciência resiliente.

É fácil induzir o corpo a liberar o neurotransmissor que vai te ajudar a discursar. Coloque uma música que você goste, vá até um banheiro e movimente as articulações. Se possível, todas! Das mãos, pernas, rosto, enfim, o máximo que conseguir. Esse preparo vai estabilizar suas emoções a partir da liberação dos neurotransmissores certos.

10 – Entenda os pontos de vista

Para uma conversa fluir agradavelmente, é preciso entender que existem três pontos de vista: o ponto de vista próprio, do outro e o ponto de vista neutro.

No ponto de vista próprio, os sentimentos próprios são ativamente despertados e a partir deles vem a resposta ou o gatilho para uma conversa.

Já no ponto de vista do outro, é estabelecida uma relação de empatia com o público, gerando conexão.

Já o ponto de vista neutro, ocorre a visão estratégica, onde o ambiente é analisado e a atenção máxima está no conteúdo.

Em uma conversação, é necessário navegar pelos três pontos de vista, possibilitando transmitindo as informações para ouvintes que estão fortemente conectados com você, sem perder a linha de raciocínio e dando o valor próprio merecido.