3 pessoas que você NÃO deve ser – se quiser ser um influenciador com autoridade

 

“Essa pessoa. Não seja essa pessoa”.

Você já deve ter escutado essa frase, certo?
Pois é… existem alguns tipos de pessoas que nós não devemos ser, e quem busca ter autoridade no mercado digital, seja como influenciador ou autoridade em um determinado nicho.
Por isso, decidimos listar 3 pessoas que você não deve ser!

1- Não seja o “solteiro da turma”!

Calma! Vou explica o que isso significa. Sabe aquela turma de amigos que tem apenas um ou dois solteiros, e todos os outros já estão com algum relacionamento? Geralmente, o “solteiro da turma” é aquele que repete incansavelmente que nunca vai se casar, nunca vai namorar, nunca vai fazer essa coisa chata de ir a jantares românticos, exaltando as “maravilhas de ser livre”. É claro que não existe uma regra para a vida: ninguém precisa ser casado ou solteiro, é tudo uma questão de escolha! Mas geralmente aquele que diz “nunca” acaba sendo o primeiro a se casar ao encontrar alguém… e acaba “pagando a língua”.

No mundo digital, é a mesma coisa! Se você diz que nunca vai entrar para uma rede social, nunca vai gravar vídeos com um determinado conteúdo, ou nunca vai fazer um evento presencial, pode ser que acabe sendo criticado ao mudar de ideia. Dizer frases como “não busco isso no momento”, ou “não é meu objetivo” facilita a vida. Afinal, a gente muda de ideia, né?

 

2- Não seja o Cebolinha

Você conhece o Cebolinha da Turma da Mônica, certo? Ele está sempre tramando planos para acabar com a “líder da rua”, e sem nunca ter sucesso, a acusa de ser baixinha, gorducha, dentuça. Lembra disso? Pois é… acontece que alguns influenciadores, Youtubers e empreendedores digitais compram brigas desnecessárias e agem como um “Cebolinha da web”.

Não seja essa pessoa! É claro que algumas lutas são válidas e podem ser importantes para o seu posicionamento: se o seu produto tem um objetivo relacionado à sustentabilidade, você vai precisar “brigar” pela causa ambiental. Se o seu produto ensina as pessoas a emagrecerem, brigue contra o sedentarismo e a obesidade! Mas não compre brigas desnecessárias, não saia criticando a tudo e a todos, e simplesmente não seja essa pessoa que vive falando mal de todos os políticos nas redes sociais (ainda mais se não tiver argumentos que vão além do lugar comum): você vai ter problemas e crises de imagem sem nenhuma necessidade!

 

3- Não seja o “professor dos anos 30”!

Imagine aquela escola antiga, com pesadas cadeiras de madeira e alunos que mal se movem com medo de receber uma punição: o professor dos anos 30 discursa incansavelmente sobre tudo o que leu e aprendeu em seus estudos a estudantes silenciosos. Pode ser que o seu conteúdo seja como uma escola antiquada, e você nem tenha se dado conta!

Ao entregar conteúdo para o seu público, você precisa tomar algumas medidas muito importantes: promover a interação com a audiência, respondendo perguntas e ensinando o que eles pedem; e se basear na sua experiência mais do que nos seus estudos! Afinal, quem ensina só o que estuda é um conteudista, enquanto quem ensina baseado em suas experiências passa a ser um influenciador… e o mundo hoje pede por mais influenciadores (de conteúdo, a internet está cheia).

No caminho rumo à autoridade e ao reconhecimento, é necessário decidir “quem você quer ser”. Saber quem “não se deve ser” já é um bom começo!