Como 6 armas da persuasão funcionam no relacionamento com os jornalistas

Conhecidos por 9 em cada 10 profissionais do mercado digital, os gatilhos mentais podem ser usados no relacionamento com a imprensa. Saiba como:

 

Você provavelmente conhece as armas da persuasão, também chamadas de gatilhos mentais. São mecanismos utilizados por diversos profissionais de marketing voltados a persuadir o público, e são ensinados com bastante ênfase nos cursos de copy.

Se utilizados de forma inteligente, estes gatilhos podem ser aplicados na relação com os jornalistas – mas não em forma de copy!

Ainda assim, é preciso ter muito cuidado: os jornalistas são, em geral, profissionais com grande compreensão da linguagem e preparados para não se deixarem seduzir por copys vazias. É por isso que o conteúdo oferecido precisa ser de qualidade!

 

armas-persuasao-gatilhos-mentais

Conheça a inteligência dos gatilhos mentais na relação com a imprensa:

 

Reciprocidade

No relacionamento com o jornalista, a regra “é dando que se recebe” funciona muito bem, e pode acontecer em dois sentidos. O primeiro é quando você oferece uma ajuda sincera ao jornalista, seja para encontrar uma outra fonte ou algum personagem (como um case que ilustre o tema) para a matéria dele. A segunda forma de ativar o gatilho da reciprocidade é oferecendo conteúdo de qualidade, sem qualquer exigência de se vender: esclareça as dúvidas e ensine o que você sabe ao jornalista, e a valorização do seu nome e da sua marca virão com o tempo. Em suma: não seja um merchan ambulante!

 

Compromisso e coerência

As pessoas tendem a agir em coerência com suas palavras, especialmente quando já assumiram algum compromisso. Um dos melhores exemplos que explicam esta situação é o seguinte: as pessoas que elogiam uma empresa e seus serviços tendem a adquirir os produtos oferecidos logo em seguida. Na sua relação com os jornalistas, é possível pedir feedbacks sobre o seu produto, e então, após receber um elogio, oferecer pautas que sejam interessantes. E já que o objetivo é conquistar a atenção do jornalista, vale a pena ressaltar: sempre cumpra com o que foi combinado, e jamais fure um compromisso, seja ele relacionado ao horário da entrevista, ou uma pauta exclusiva.

 

NathanaLacerda_Crise_Imagem_Reputação2

Aprovação social

A aprovação social é um dos principais motivos pelos quais é importante investir em Assessoria de Imprensa. As pessoas fazem uma escolha com base naquilo que é aprovado por um grande grupo. É por isso que quanto mais resultados de mídia, mais resultados de mídia: os jornalistas tendem a querer falar mais sobre quem eles já viram em outras mídias. Já tive clientes que foram para a TV após serem citados em uma matéria de um grande portal, e que só haviam conquistado o espaço no site após serem apresentados os cases de clientes dele. Uma aprovação social leva a outra!

 

Afeição

As pessoas dizem “sim” quando gostam ou admiram o outro. Elas precisam ter suas emoções afetadas, e com os jornalistas funciona da mesma forma. É por isso que eu sempre digo: seja simpático durante a entrevista, trate bem todos os profissionais independente da função, e não faça distinção de veículo! Valorizar fatores que nos assemelham ao interlocutor é uma excelente forma de fomentar a empatia.

 

 

Autoridade

Um dos gatilhos que menos geram dúvida é o da autoridade. Utilizar títulos e números que comprovem sua expertise é válido com o público e com os jornalistas. Aliás, uma das coisas mais valorizadas pelo jornalismo é a autoridade: prove que você é o melhor, e os jornalistas vão falar com você! Vale sempre lembrar que a formação acadêmica é muito valorizada pelos jornalistas, e se a sua área é nos negócios, o faturamento e os números da empresa é que vão trazer autoridade ao seu trabalho.

 

Escassez

Comum no mercado digital, o gatilho da escassez evita que o público-alvo “deixe para depois”. Afinal, se um determinado período de inscrição ou produto está se esgotando, as pessoas vão querer garantir a oportunidade. Na relação com os jornalistas, o gatilho da escassez pode ser utilizado em casos verdadeiros de agenda cheia. Se você estará em uma cidade para um evento apenas por alguns dias, talvez o jornalista queira aproveitar a oportunidade para te entrevistar, e um processo semelhante pode acontecer caso a sua agenda só permita dar entrevistas em dias específicos da semana.